Série popular da Netflix gera novo debate sobre o recrutamento militar da Coreia do Sul

- Advertisement -

Uma série de sucesso da Netflix está reacendendo um debate na Coréia do Sul sobre o enorme exército do país, sua história de escândalos de abuso e o recrutamento militar obrigatório que enche suas fileiras de jovens.

D.P dog day – abreviação de Deserter Pursuit – está entre os principais programas da Netflix na Coreia do Sul desde sua estreia no final de agosto.

A série segue policiais militares designados para capturar desertores, mostrando a vida diária de muitos recrutas, incluindo abuso físico e mental de outros soldados.

O diretor Han Jun-hee disse que procurou contar uma história humanizada  sobre como o sistema torna os desertores tanto vítimas quanto criminosos, bem como o preço que cobra daqueles que são forçados a caçar.

“DP é a história do rastreamento de um desertor, mas, ao mesmo tempo, é uma história paradoxal de procurar o filho, irmão ou amante infeliz de alguém”, disse Han à Reuters por e-mail.

Questionado sobre a popularidade do programa, um porta-voz do Ministério da Defesa disse que o ambiente militar mudou e que o ministério tem tentado eliminar os abusos e o tratamento duro.

Na semana passada, os militares anunciaram que, mesmo antes do lançamento da série, planejavam acabar com o sistema de fazer com que soldados rasos rastreiem camaradas ausentes sem licença oficial.

Essa alteração entrará em vigor em julho de 2022.

A Coréia do Sul mantém uma força militar ativa de 550.000, com 2,7 milhões de soldados em reservas, em meio a décadas de tensões com a Coréia do Norte. Todos os homens devem servir por até 21 meses, dependendo do ramo militar.

A lei criminal militar da Coreia do Sul pune a deserção com até dez anos de prisão.

O Ministério da Defesa afirma que os abusos e deserções entre os recrutas diminuíram, em grande parte devido à decisão de 2019 de permitir que soldados alistados usem telefones celulares em seus quartéis.

O ministério se recusou a confirmar o número exato de desertores, mas a mídia sul-coreana informou que 55 casos foram relatados no ano passado, ante 78 em 2019.

As mortes militares por suicídio também caíram de 27 para 15 no mesmo período.

Debate intenso
A série chegou enquanto o país debate o futuro do recrutamento e o potencial de abuso, especialmente porque os jovens que enfrentam perspectivas econômicas sombrias se queixaram de perder tempo no serviço militar que poderiam ter gasto em estudos ou trabalho.

Em 2018, uma decisão da Suprema Corte concluiu pela primeira vez que a “objeção de consciência” é uma razão válida para renunciar ao serviço militar.

O parlamento no ano passado aprovou um projeto de lei permitindo que as estrelas do K-Pop adiem seu serviço militar para quando tiverem 30 anos.

Os militares foram abalados por vários escândalos de abuso sexual este ano, o que levou os legisladores a aprovar uma lei que determina que o abuso sexual e os crimes violentos nas forças armadas serão tratados por tribunais civis.

A reação à série entre os ex-recrutas foi misturada, com alguns dizendo que espelhava suas experiências, outros dizendo que suas representações de abuso são exageradas e alguns evitando o show para evitar que memórias traumáticas voltem à tona.

“Há uma cena em DP em que eles jogam botas de combate (no soldado). Passei por muitos assédios semelhantes”, disse Ma Joon-bin, que descreveu seu período entre 2013 e 2014 como a “idade das trevas”.

“Agora que olho para trás, sinto que foi injusto. Mas, naquela época, era tão comum.”

O Sr. Lee Jun-tae, que serviu de 2017 a 2019, disse que nunca tinha experimentado ou ouvido falar de qualquer um de seus amigos sofrendo abuso durante o serviço.

“Não houve nenhum tratamento duro durante meu tempo”, disse ele.

Na semana passada, o favorito presidencial do partido no poder, Lee Jae-myung, chamou as histórias da série de “história bárbara” da Coreia do Sul.

O Sr. Hong Joon-pyo, um candidato do partido da oposição, disse que suportou crueldade como soldado e prometeu considerar a possibilidade de se mudar para o serviço militar voluntário.

Acabar com o recrutamento não resolverá todos os problemas se a cultura militar em geral não mudar também, disse o crítico da cultura pop Kim Hern-sik, que serviu como policial militar.

“Enquanto houver serviço militar, seja um sistema de recrutamento obrigatório ou voluntário, os problemas serão inevitáveis ​​de uma forma ou de outra”, disse Kim.

Você pode Hypar...
0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
3,814SeguidoresSeguir
412SeguidoresSeguir
66InscritosInscrever

Excelsior!

- Advertisement -

Em alta

Vale o Hype?

Twisters vale o hype? Crítica com spoilers do filme

Com a proposta de explorar a intensa dinâmica de caçar tempestades, trazendo uma nova geração de caçadores de tempestades que utilizam tecnologias avançadas. A...

Todo mundo tá lendo

‘Solteiros, Ilhados e Desesperados’ como está o elenco?

Após o sucesso fenomenal de Round 6 , Solteiros, Ilhados e Desesperados da Netflix – um reality show de solteiros presos em uma...